• Blog Carolina Brasil

O SEGUNDO MAIOR MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO BRASIL DE PORTAS ABERTAS EM 2022


Por Rada Rezedá Museu de Kard, localizado em Vitória da Conquista, sudoeste da Bahia, numa área de aproximadamente meio milhão de metros quadrados, o segundo maior museu de arte contemporânea do Brasil se prepara para a inauguração oficial muito em breve, no início de 2022, apesar de já possuir algumas áreas abertas à visitação do público.

Vitória da Conquista é considerada a porta de entrada para a Chapada Diamantina, região que recebe turistas de todo Brasil e do mundo. Localizado na rodovia BA-262, o Museu de Kard possui duas galerias e 700 obras de esculturas a céu aberto. O projeto arquitetônico resolve questões de ordem funcional e de ordem estética, observando os contextos físico, cultural, socioeconômico e tecnológico: A obra Tributo a Mondrian, um cubo localizado logo na entrada, é o setor administrativo do museu, bem como a loja e o auditório; a obra Ascenção, uma pirâmide que remete a evolução humana, é também uma galeria de artes, e assim acontecem com outras obras. O projeto paisagístico do Museu de Kard valoriza as espécies endêmicas (madeira nova, favaca, canjão, dentre outras nativas da região), espécies exóticas e está trabalhando na revitalização de uma riacho e de uma lagoa existentes no local.

São 700 obras de escultura e duas galerias: Pirâmide, abrigará permanentemente 750 obras do idealizador do museu, Allan de Kard, e a galeria Mix, que receberá peças de vários outros artistas,

A galeria Mix foi inaugurada em 4 de novembro último com a Expo Arte Conquista, que dispõe de 80 obras artísticas em homenagem aos 181 anos da Jóia do Sertão baiano, a cidade de Vitória da Conquista. Os artistas expositores são: Valéria Vidigal, Alex Emmanuel, Domício Campos, Lilian Morais, Romeu Ferreira e o próprio Allan de Kard. A Expo Arte Conquista esteve aberta, gratuitamente, ao público até 15 de dezembro de 2021.

Na entrada do Museu de Kard o visitante é recebido pela imagem majestosa da Arara Canidé. Também conhecida como Arara-Amarela, vive em bandos, é monogâmica e muito encontrada em todo o Brasil.

Arara Canindé Flor do Cacau, do artista plástico Mário Cravo. Esta obra foi doada ao Museu de Kard, pelo próprio escultor, que também criou o Cristo Nordestino, localizado em Vitória da Conquista, com feições nordestinas, que relembra a situação econômica e social da população sertaneja, e possui 33 metros de altura. O monumento foi inaugurado em 1980.

Flor do Cacau

Cristo Nordestino O Conselho trata do exercício de poder. São treze membros de um conselho, o presidente ao centro e todos numa posição de reverência, com uma das mãos no peito e outra escondida nas costas, cada uma delas esconde um objeto diferente. A obra começou em 2012 e foi finalizada em 2021.


Xadrez Nordestino, possui 900 metros quadrados, representa cangaço versus o Estado. “Do lado do cangaço estão Lampião e Maria Bonita, rei e rainha; Antônio Conselheiro é o bispo, o jumento é o cavalo, a torre de Bom Jesus da Lapa é a torre, e os cangaceiros são os peões”, explica o escultor Allan.


As guardiãs do Tempo faz referência a um calendário e possui 1 km e 600 metros, “Trata-se do tempo, que é a matéria-prima mais importante, é a mais perecível que a vida nos oferece. São 366 guardiãs do tempo, uma para cada dia”, afirma o artista.

A área do Museu de Kard era um antigo lixão da cidade de Vitória da Conquista e, por isso, todos os sapatos encontrados no local foram recolhidos e estão sendo transformados na obra Em que pé anda? fazendo uma referência a transformação do homem. Esta é obra que ainda não está totalmente concluída.

Mãos, interior da Pirâmide

Ceia, interior da Pirâmide A obra Ascensão significa a saga evolutiva do átomo ao arcanjo. O ciclista que se põe a escalar a Pirâmide evolutiva rumo ao infinito representa o ser nesta busca, num verdadeiro Teotropismo positivo. Vista de frente, nota-se que a porta da pirâmide não se encontra no centro, para que o observador sinta o impulso de deslocá-la para o centro, sugerindo que a Ascensão seja a busca infinita pela perfeição

O Museu de Kard possui muitas outras obras de arte, como: Mon Solei, Desejos e Dever, Mater (figura masculina e feminina em estado de gravidez), Resistência, Tributo a Mondrian, Monumento ao Gráfico, Labore per Vitae, o Vento, Lápis na Mão, Sala de Estar, Diversidade Fenotípica, Monumento aos Heróis da Saúde, Jogo da Velha, Zigoto (ovo estrelado), Tukurê, Sonho de Menino (24 obras), Ode ao Amor, Transbordo, Sem Rumos e Pramix, Quo Vadere, (Aonde Fostes, conhecido como Labirinto, com 150 metros quadrados e 80 toneladas de cinzas no piso, com fotos de crianças desaparecidas). São mais de 800 preciosidades entre esculturas e pinturas reunidas em um só lugar. Para conhecer muito bem tudo isso de perto, com certeza levariam alguns dias; a boa notícia é que o Museu de Kard pode ajudar o visitante a fazer uma pré-seleção dos pontos de interesse, e, assim, os amantes da arte podem organizar melhor a visita. Para ter uma ideia geral e ver as obras mais destacadas, é necessário dedicar pelo menos uma manhã completa para percorrer o museu. Mas é bom lembrar que apesar de já ter áreas com livre acesso, o público só poderá desfrutar de tudo, oficialmente, a partir de março de 2022.

“O Museu de Kard é um patrimônio cultural que engradece Vitória da Conquista e o Brasil. Todas as obras são de grande relevância, mas tem uma delas que é a Quo Vadere, também conhecida como Labirinto, que é enigmática e de importante cunho social, pois é uma espécie de grito de alerta sobre as crianças desaparecidas. No percurso do Labirinto serão expostas fotos, em cerâmica, das crianças que nunca voltaram para seus lares. Quem entrar no Labirinto terá sensações parecidas com as das crianças desaparecidas, isso é transformador” declara em tom decisivo o cineasta baiano, Beto Magno. Allan de Kard Artista plástico e agrônomo, Allan é o idealizador do Museu de Kard. Foi finalista do Troféu Prime e, em 2016, foi indicado como personalidade conquistense quando teve o privilégio de acender Pira Olímpica durante passagem da tocha pela cidade. Exposições: Kaypê, Equilibrium, Solidare, Tukurê , Caminhos da Paz, dentre outras. Participou também, com suas esculturas e telas, da exposição Além Mar, em Coimbra, Portugal e do 3º Salão do MAM da Bahia, em 1995. “Construo caminhos por onde trafego. Crio técnicas próprias. O pior para uma obra de arte é o silêncio, o descaso”, Allan de Kard.

Valéria Vidigal Conhecida como a “Artista do Café”, Valéria Vidigal é cafeicultora e artista plástica e já realizou mais de 100 exposições com a temática do café. Idealizadora do Encontro Nacional do Café, que me 2021 está em sua 15º edição, Valéria é vice-presidente do Museu de kard.

( Fotos da matéria: Marcelo Saback )